ALERTA DE SPOILER: Grace e Frankie é uma série sobre duas mulheres de 70 anos obrigadas a reinventar suas vidas depois que seus maridos, que se conhecem tem 40 anos, revelam que tem um romance faz 20. Mas, pra mim, a grande pegada da série é como ela mostra o preconceito de idade.

Eis algumas coisas relacionadas com o tema que aparecem no seriado e me chamaram atenção:

1. Invisibilidade

invisibilidade

Quando falamos em invisibilidade, queremos dizer que algumas pessoas são ignoradas pela sociedade. Uma mulher mais velha é invisível porque, conforme falamos aqui, ela se torna menos aos olhos da sociedade.

E a forma que o seriado escolheu para mostrar essa invisibilidade não poderia ser mais direta (e maravilhosa): em um episódio (o do gif aí de cima), as duas são solenemente ignoradas por todos os atendentes de um mercado ao tentar comprar um maço de cigarros. Mesmo estando ao lado dos atendentes. Mesmo que um deles inclusive se dirija para atender uma mulher (que chegou depois delas) jovem e bonita (vocês são pouco previsíveis, ein, caras).

Depois, no carro, a Frankie fala para a Grace: “Eu descobri uma coisa hoje: nós temos um super poder” (e mostra o maço de cigarros). Então a Grace responde: “Tu roubou?!” e Frankie diz: “Eles não podem me ver, então não podem me parar”.

E, se pararmos pra pensar, na maior parte das vezes as minorias só deixam de ser invisíveis quando se insurgem contra isso. Então, eis uma bela lição: insurja-se (se, ainda assim, continuar invísivel, ao menos os cigarros foram de graça e- ha, quem está rindo agora?).

2. Sexualidade

é-hoje

Existem vários seriados onde personagens femininas divorciadas redescobrem sua sexualidade, mas todas mais jovens (como é o caso de Cougar Town, por exemplo). A diferença é que o desejo sexual de uma mulher de 40 anos não só é aceito, como é fetichizado, tanto que MILF é o segundo termo mais buscado por homens no Pornhub (depois de adolescente – vocês são pouco previsíveis, ein, caras), já uma mulher de 70 anos não tem esse direito.

A surpresa em Grace & Frankie é que, não só elas tem desejos sexuais normais como lidam com questões específicas da idade, como secura vaginal pós menopausa. E questões universais, também, como a ansiedade diante de um novo parceiro.

lubrificanteFrankie fazendo sua receita caseira de lubrificante íntimo (sem ingredientes carcinogênicos, aliás)

Por isso Grace & Frankie é uma aula sobre sexualidade saudável, já que as diversas formas de desejo abordadas pelo seriado são tratadas como deveriam: algo natural. E pronto.

3. Abandono emocional

grace-e-frankie

Tá certo que a trama parte de um tipo de divórcio diferente do usual (o mais comum seriam homens mais velhos se divorciando para ficar com mulheres mais jovens – vocês são pouco previsíveis, ein, caras), mas a sensação de abandono e a ansiedade diante da perspectiva de solidão são muito próximas do corriqueiro.

Ou seja, ideia de que, talvez, desta parte da vida em diante não exista mais a possibilidade deste tipo de amor porque tu não é mais o que se espera de uma mulher, isto está ali.

Apesar de ser uma série muito positiva, também neste sentido, já que ambas mostram que há vida para além dos relacionamentos afetivos, existem momentos onde esta questão é colocada de um jeito bem claro, como quando Grace hesita em terminar seu relacionamento porque “ninguém mais a amará”. Ou quando as duas debatem o fim de seus casamentos e o ódio e sofrimento gerado por essa separação.

solidãoEle te abandonou nos teus últimos anos! Tu não tá, pelo menos, braba com isso?

Também é impossível não traçar esse paralelo entre o que ocorre na vida do casal formado pelos ex-maridos delas e na vida delas. Sim, a situação é diferente, mas o resultado final é muito semelhante ao que já vimos (ou vivemos): homens divorciados vivenciando uma espécie de conforto emocional na velhice, enquanto para as mulheres resta um tipo de desassossego.

4. Representatividade

graceO choque de Frankie ao se notar percebida como uma mulher velha: “Eu sou jovem”

Eu sou filha de uma atriz de teatro (por sorte, na TV as coisas são muito piores) e, ao longo dos anos, fui notando que muitos dos papéis dela foram ficando mais restritos, menos desafiadores. E isso, claro, não tem relação nenhuma com o talento dela que, quando muito, teria aumentado ao longo dos anos, como se espera com profissionais dedicados ao que fazem. Isso tem relação com o fato de que mulheres mais velhas raramente são representadas como algo além de: mães, avós, senhoras estereotípicas.

E minha mãe, com seus 60 e poucos anos, é uma mulher super ativa e estilosa que está longe de ser representada pelos papéis que, tantas vezes, fez. O que isso quer dizer? Basicamente, isso quer dizer que o entretenimento e as artes estão apenas começando a ver e reconhecer mulheres mais velhas como seres humanos plenos.

Não é de se estranhar que não saibamos lidar com o envelhecimento: não queremos ser essas mulheres que vemos representadas por aí. Mas a verdade é que: não precisamos. E isso fica bem claro nos personagens complexos e mais próximos da realidade apresentados pelo seriado.

grace-articulaçõesMinhas articulações são flexíveis!

Uma situação onde esse conflito de imagem aparece é quando Frankie se candidata para uma vaga de professora de artes em um asilo para idosos e o gerente do local acredita que ela é uma das futuras hóspedes. É como se o mundo insistisse em reafirmar que, depois de certa idade, elas não pudessem esperar nada muito além disto.

frankieÁlcool tem suas próprias regras

Mas Frankie e Grace não se contentam com o que estamos acostumadas a consumir sobre as mulheres mais velhas. E, ao fazerem isso, elas permitem que muitas outras mulheres encontrem seu reflexo, finalmente, no entretenimento. E mesmo para nós, que somos mais jovens, isso causa um conforto: não precisamos ser a vovozinha estereotípica.

Grace e Frankie é um título criado e produzido pelo Netflix e pode ser assistido por lá (e, tudo indica, restou aos produtores de conteúdo online o papel de construir personagens complexos e interesantes).

, , , , ,